Monday, 5 September 2016

DAS ESPERANÇAS, EXPECTATIVAS E REALIDADES

DAS ESPERANÇAS, EXPECTATIVAS E REALIDADES
A vida empresarial é reality show. E nele há sonhos, esperanças e expectativas. Sem isso, as empresas não funcionam. Mas, tudo  isso tem uma boa dose de realidade transformada em planos de negócios, canvas, estratégias e táticas. Evolui em um equilíbrio dançante, que permite mover montanhas, alcançar sonhos e conviver com, senão enfrentar, realidades.

O fato é que essa agonia política que vivemos durante quase nove meses, e que aparentemente terminou na semana passada com a declaração pelo Senado do impedimento da Sra. Presidente da República no cargo (não vamos falar do fatiamento da resolução que lhe permite com mão na cintura  e com votos dos ex-presidentes das entidades empresariais maiores, CNA e CNI, continuar na vida política), criou expectativa geral de que terminou uma fase e essa página está virada.

Ledo engano. Primeiro: em cem dias do governo provisório, não conseguiram levantar as falcatruas (o processo de Lava Jato é ponta de um iceberg da corrupção que domina a política e os negócios no país),  segundo, nem, parafraseando o dito popular, o tamanho do buraco das contas públicas. E terceiro, last but not least, nem os políticos nas duas casas do congresso se uniram em torno de um projeto de governo (se existe um) para podermos dizer que as esperanças que tivemos estão se transformando em realidades viáveis. Sem contarmos o rugir das ruas, ao qual ainda não se juntaram os 12 milhões de desempregados, que com suas famílias somam 30 milhões.

Então a realidade, inclusive com os juros mais altos do mundo, é dura, é feia. As reformas, se os políticos decidirem fazer, o que esta difícil de acreditar depois do que demonstraram no Senado, terão que ser muito profundas para por a casa em ordem. O dinheiro de fora não vai jorrar enquanto não forem dados sinais claros de estabilidade jurídica e política. A não ser o dos especuladores no câmbio e na bolsa de valores. 

Se o PIB crescer ou não, pouco pode afetar seu negócio. Olhe bem o seu mercado, vá para o clássico controle de caixa, atenção ao cliente, procure inovar (mesmo imitando ) e ache novos clientes. Como o Helder, do Forno de Minas, que abriu escritório em Miami para conquistar o mercado dos Estados Unidos. A Localiza, que agora aluga carro para os motoristas da Uber. Supernosso, que coloca mini tablets nos carinhos de compra. Queijo de Canastra, conquistando o mundo. Cachaça Germana, na África do Sul e mais 30 países. E mais e mais bons exemplos.

Tem que ter esperança, mais, tem que se adaptar à realidade e nela encontrar as soluções, porque Brasil continua um mercado de 200 milhões de pessoas que querem progredir e avançar.

No comments:

Post a Comment