Tuesday, 13 November 2018

DAS GUERRAS, KRISTALNACHT E PAZ


DAS GUERRAS, KRISTALNACHT E PAZ

Na semana passada, o mundo lembrou das duas grandes tragédias maiores do Século XX, entre tantas que experimentamos. Tragédias das quais o Brasil não foi protagonista, mas que também afetaram o país no bem e no mal.

Em 11/11/1918, às 11 horas do dia 11 do mês 11 de 1918, foi assinado um armistício do que a história moderna chama de A Grande Guerra. Quatro anos de batalhas que mataram mais de 14  milhões de pessoas, 9 milhões de soldados, 28 países participando. Uso de armas novas, como tanques e aviões, terrível uso de armas químicas, como gás mostarda, batalhas como da Somme, na França, entre forças de Entente (França, Inglaterra, Rússia) versus a Tríplice Aliança da Austro-Hungria, Alemanha e Itália, onde um milhão de soldados morreram. Batalhas do rio Isonzo, entre a Itália e a Eslovênia, cujas águas cristalinas se tornaram vermelhas de sangue dos mortos. Um horror que mudou a face do mundo, quando terminou.

Acabou o Império Austro-Húngaro, começou o Império Soviético, terminou o Império Otomano, reduziu-se a Alemanha, nasceram novos países como a Tchecoslováquia e a Iugoslávia e ampliou suas garras coloniais o Império Britânico. Embaralhou-se o mapa mundial de tal modo que até hoje não está tudo resolvido. Em especial, lá onde partiu o tiro de início da tragédia, os Balcãs. 

O Brasil beneficiou-se muito como fornecedor de matérias primas, em especial borracha, para as partes em conflito. Com os alemães torpedeando navios brasileiros em abril de 2017, afundando um no Canal de Mancha, o Brasil não teve nenhuma outra saída senão entrar em guerra em 26/10/1917. Mandou alguns suprimentos, batalhões e ajuda médica. 

Outro evento que aconteceu na Alemanha na mesma data há 80 anos atrás foi a Kristalnacht, a noite dos cristais. Foi durante aqueles dias que as tropas paramilitares do governo nazista de Hitler atacaram os judeus. Destruíram 267 sinagogas, 7000 estabelecimentos comerciais que pertenciam a judeus, levaram muitos deles para campos de concentração e começou a era de perseguição que culminou com 6 milhões de judeus assassinados pelos nazistas.

A reação do governo Vargas, que namorava com os integralistas brasileiros, ao nazismo, foi proibir a entrada de judeus no país. Semita não. Aliás, o recente filme Meu Querido Embaixador, sobre o diplomata brasileiro Souza Dantas, mostra muito bem como seu comportou o governo brasileiro na época.

Nos dois episódios longínquos da vida cotidiana brasileira, a terra abençoada por deus, o povo brasileiro não sofreu aqueles horrores (e nem os da Segunda Guerra Mundial), como aconteceu em grande parte do mundo. Mas, apesar dos governos de cada época, o país foi sim generoso com os imigrantes fugidos das atrocidades que infligiam ao mundo. A maioria que veio par Brasil, veio fugindo de conflitos, guerras, terror, para procurar principalmente uma oportunidade de viver e quiçá construir um futuro.

Até que ponto os brasileiros de outras gerações sabem apreciar esse valor, tão raro no mundo? Veja ainda hoje os conflitos na África, Afeganistão, Iêmen e outros . Veja também nossos conflitos: de pobreza, de miséria, de crimes que matam mais do que a guerra no Afeganistão, de desastres provocados por má gestão pública.

Não é fácil, mas a guerra é o pior de todos.

Wednesday, 7 November 2018

DO EMPRESÁRIO E GOVERNADOR


DO EMPRESÁRIO E GOVERNADOR

Empresário é empresário e governo é governo.

A gestão de uma empresa de qualquer natureza é diferente da gestão pública. Por isso existem até cursos universitários diferentes. Administração de empresas e administração pública. Nas duas carreiras há pontos em comum, estudos comuns, matérias comuns, mas tem uma diferença fundamental: a empresa tem que apresentar resultados, lucros, balanço social, mas essencialmente retorno de capital.

O governo representa toda a  população do estado. Na sua mais expressiva diversidades antropológica, social e econômica. E os resultados que tem que apresentar são o bem estar, em todos os aspectos, da população.   

Então empresa não é governo, e governo não administra empresa. Os métodos de gestão podem ser até similares na parte operacional. E tem mais umas diferença brutal: os funcionários públicos têm regime diferente de trabalho do regime CLT dos trabalhadores nas empresas. Nos dois casos, são mais bem sucedidos os gestores que são mais líderes e menos ditagestores (manda quem pode e obedece quem deve). Na área pública ainda há variáveis políticas e legais, que são bem mais complexas do que na área empresarial.

Mas por que tanta explicação sobre o óbvio e conhecido.

Porque vamos ter pela primeira vez nas últimas décadas um governador do Estado eleito com uma proporção de votos jamais vista em Minas, sem nenhuma experiência política anterior, e empresário. Então, está trazendo ao Palácio da  Liberdade conceitos empresariais, sua experiência pessoal para uma gestão pública. Isso só pode ser positivo se for feito dentro de parâmetros estratégicos de melhorar o bem-estar da população. Governador não é chefe de 400 mil funcionários públicos, ele é líder do segundo maior estado do país. E quanto aos funcionários, eles são o menor problema na gestão do estado, desde que os métodos de gestão passem a ser melhorados. Além do mais, a distribuição de renda do funcionalismo público mineiro mostra claramente que menos de 5 % dos funcionários (em especial do judiciário, assembleia legislativa, tribunal de contas e similares)  são responsáveis pela maior parte de folha de pagamentos do Estado. Nisso se incluem as aposentadorias dos policias militares e as de mais alguns privilegiados. A absoluta maioria ganhas pouco e trabalha bem.

Também será interessante ver a relação entre as entidades empresariais mineiras e o novo governo. O governador eleito nunca participou dos clãs que dominam essa área. E as entidades com as quais conversa em privado, como é o caso da FIEMG, não têm nenhum projeto a ser apresentado de interesse de Minas como um todo. Tem sim reivindicações classistas que  aumentam o buraco fiscal, mas não aumentam nem emprego, nem renda e nem índices de qualidade  de vida. A construção de uma agenda comum estratégica será fundamental para o sucesso de um governo dirigido por uma empresário.

Não no final, cabe dizer que JK foi um político popular, modesto, simpático e eficiente. Teve projetos, teve ideias, teve humildade, mas jamais deixou de ser Governador ou Presidente. O cargo de governador de Minas é importante, e as mais recentes esculhambações  que aconteceram não justificam que se continue a desvalorizar o cargo pelo próprio ocupante. Simplesmente porque o cargo não lhe pertence, ele é do povo. E povo  quer  dignidade no Palácio da Liberdade.

Monday, 29 October 2018

DE ECONOMIA MINEIRA DE NOVO


DE ECONOMIA MINEIRA DE NOVO


César está nu.

Os mineiros rejeitaram nesta eleição o modelo político e econômico vigente. A página está virada, tempos novos, tempos diferentes. Pelo menos, é o que se espera.

E para a economia mineira, em decadência há décadas pelo modelo político em curso, agora chegou a última hora para, com apoio das urnas, mudar o modelo e fazer  Minas crescer. O novo governo vai assumir o Estado na pior situação desde que Minas existe. E se não fizer uma due diligence da melhor qualidade para saber o tamanho da desgraça em que nos meteram, não poderá fazer  um plano de recuperação e avanços. Portanto, não tem meia solução, não tem proteção ao passado, não pode ter dó, e nem cunhado a ser protegido, tem que levantar tudo nos menores detalhes para saber a real situação. Dezenas de anos se passaram em que dados e informações foram colocadas abaixo do tapete ou abaixo de terra para proteger a irresponsabilidade, interesses pessoais e políticos.

O governo novo não pode cair em tentação de fazer com pressa as mudanças e correções para atender à alta expectativa do eleitorado. E nem fazer nada de meia tigela. Ou faz direito e certo, ou nada vai adiantar. E o eleitorado terá que saber a real situação e ter confiança e paciência para que as mudanças sejam feitas. Estragos de dezenas de anos não serão corrigidos em meses, por isso a transparência na gestão é fundamental. O verdadeiro projeto de mudança será apresentado aos eleitores depois de saber o tamanho do buraco em que estamos. Então, esperar que os salários dos funcionários públicos melhorem já é uma ilusão sem fundamento. Não há dinheiro.

De um lado, rigor fiscal e de gestão do Estado, base para o desenvolvimento econômico.

De outro lado, organizar o desenvolvimento do Estado. Crescer com base em indústria subsidiada, vinda de fora do estado, mal gerida do ponto de vista ambiental, comércio ainda na fase analógica e com serviços, inclusive de engenharia, pendurados ainda na régua de cálculo e na Lava Jato, não vai dar mais.

Minas tem magníficos exemplos de capitalismo interno, que podem ser campeões de desenvolvimento. São empresas  líderes no Brasil, como a Kroton na educação, MRV na construção civil, Localiza na área de serviços, Martins em logística, Centauro no comercio varejista,  Sada em logística, Dom Cabral em educação executiva, e mais tantos outros que podem puxar a economia mineira. Temos que ter economia 4.0, estado 4.0, as melhores escolas do Brasil em todos os níveis, porque sem eles não vamos conseguir fazer leap frog. Temos que pular do estágio do século passado em que ainda estamos, para o século 21. E já.

Por outra parte, tem que reconhecer que o agro business é mais competitivo e menos privilegiado do que a indústria. Reconhecer que temos que ter empresas competitivas com um estado mais competitivo. E ainda entidades empresariais menos lobistas, menos reclamadoras de ações de governo e com projetos próprios de desenvolvimento de seu setor. O papel principal das entidades empresariais não é  defesa setorial, não é ficar reclamando do governo, é ter programas conjuntos de desenvolvimento. Parceria. Parceria ativa e altiva.

Serão tempos de suor, lágrimas e sangue, mas que terão que valer os sacrifícios para a última chance de mudança que temos para entrar no século 21. Que não da para continuar, a eleição demostrou. Agora, implementar mudança exige muito mais do que um dia de voto.

Sunday, 21 October 2018

DO TSUNAMI POLÍTICO E DA CONSTRUÇÃO DO ESTADO


DO TSUNAMI POLÍTICO E DA CONSTRUÇÃO DO ESTADO

Se as pesquisas estiverem certas, olha lá a comparação entre política e previsão de tempo, o Brasil sofrerá um tsunami eleitoral no próximo domingo de proporções épicas. A primeira onda, o primeiro turno, que definiu as eleições parlamentares, já destruiu uma boa parte da estrutura política do país e os surfistas na onda se saíram bem. E colocou muita gente na segunda onda que está se aproximando com uma velocidade incrível. Nem  o calendário  gregoriano consegue segurar mais a ansiedade de vitória ou as ondas de tsunami. A esperança de mudança ou revolta contra a situação presente em todos os sentidos impulsaram um ressentimento eleitoral não esperado. Em geral essas ondas são precedidas por manifestações de rua, protestos amplos, como aquele de 2013, ou uma campanha acirrada. Pouco disso aconteceu, com exceção que a revolta foi expressa nas urnas de forma silenciosa, ordeira e esperançosa.

Os vencedores desse campeonato eleitoral carregam com a vitória a responsabilidade de atender aos anseios dessa revolta política que foi expressa nas urnas. Só para lembrar, nas histórias políticas recentes, vários presidentes, como Macri e Macron,  foram eleitos nessas ondas de revolta e esperança. E o que sobrou deles? Mais revolta e menos esperança. O capital político foi gasto na governabilidade que não atendia aos anseios dos votos que ganharam nas eleições. Nos casos similares, só se mantiveram no poder  aqueles, como Orban na Hungria, que reduziram a pó o debate político, a oposição e a imprensa. 

E quais são esses desafios que o país enfrenta na sua governabilidade e que não estão tão visíveis como os aspectos macro-econômicos e fiscais?

Em primeiro lugar, nem todos os problemas do Brasil estão no Brasil. Fazemos parte de um mundo não só complexo mas, neste momento, complicado e no  qual a nossa influência é zero. Essa complexidade do mundo não determina só a nossa situação econômica e financeira mas sobre tudo a nossa segurança. Podemos não ser parte direta dos conflitos em curso, e os que estão sendo provocados pelos poderosos, mas somos colateral damage no melhor sentido da expressão.

E falando de segurança, é ilusão pensar que o problema está no Rio de Janeiro. Temos uma situação de criminalidade aterrorizante. De fato não sabemos quanto o crime cada vez mais organizado domina a política, a vida cotidiana, o negócios, o mundo religioso. E o Estado que está ai não dá conta dessa situação. Somos um país com uma população carcerária enorme, com crime mantendo territórios sob seu comando, corrupção dominando as relações entre estado e setor privado, um judiciário que não inspira confiança à população, fronteiras desguarnecidas , forças armadas se transformando em polícia, um novo ministério de segurança pública que ainda não está estruturado e mais e mais.

O episódio de conflito armado na semana passada entre policiais de Minas e de São Paulo em Juiz de Fora, numa “simples” troca de dólares por reais, é um caso emblemático da situação que vivemos. Qualquer filme sobre crime na Netflix é coisa para criança perto do que aconteceu em Minas. E é só a  ponta do iceberg da situação.

A agenda vai longe. Como oferecer à população mobilidade social. E aí começando com a criação de emprego. Além dos 30 milhões de descamisados que temos na linha abaixo da pobreza.

Os vencedores terão que agir, mostrar resultados não só para o mercado, que se ajeita, mas para os que os elegeram. A doutrina de gestão pública vai, num regime que continuar democrático, requerer mais do que só  palavra de ordem. E também só fé e esperança não serão suficientes. Eleição é um momento na política, governabilidade dura um mandato.

Monday, 15 October 2018

DOS CAVALHEIROS, MOSQUETEIROS E SENHORES DAS GERAIS


DOS CAVALHEIROS, MOSQUETEIROS E SENHORES DAS GERAIS

A morte repentina na semana passada dos um dos mais importantes analistas da política mineira e em especial das relações entre empresários e política, o professor doutor Otavio Dulci, a quem, como seu ex-colega de estudos presto homenagem, nos obriga ainda mais  a analisar melhor a atual situação política do Estado, segundo colégio eleitoral do país. Minas, o berço da vitória do segundo turno de Dilma nas eleições de 2013, contra um candidato também mineiro, a aliança entre o então senador José Alencar e Lula nos seus dois mandatos, sem a qual Lula nem se elegeria ou governaria eventualmente em conflito com o empresariado, se revolta na eleição deste ano e varre o PT do cenário regional e nacional com uma violência eleitoral assustadora.

O voto de protesto estourou a boca de urna e assustou o futuro. Os votos depositados querem mudanças estruturais na política regional e nacional. Aceitam  palavras de ordem, de progresso, de segurança e de um estado organizado, sem saber o que estão aceitando. Qualquer coisa que se prometa e que possa dar esperança de uma mudança é melhor do que o que aqui está.

Mas, como será a realidade de um futuro baseado em vácuo de um lado e de tantos fatos e atos de outro que numa normalidade democrática não seriam aceitos?

Relendo o livro de Heloisa Starling, Os Senhores das Gerais, que relata o papel da elite econômica mineira no golpe de 31 de marco de 1964, vê-se que não há como comparar com os dias de hoje. Através da via eleitoral, com a eventual vitória de Romeu Zema, o empresariado mineiro assume o poder político no estado. Ele, símbolo  de excelência empresarial na sucessão dos negócios da família, junto com mais três empresários de destaque cujos nomes contêm um M, formam um quarteto de mosqueteiros ou cavalheiros da esperança do novo desenvolvimento de Minas. E se Minas desenvolve, o Brasil também desenvolve.

Os princípios de gestão pública podem até incluir alguns princípios da gestão empresarial. Mas são duas  gestões com objetivos distintos e seus stakeholders, diferentes.  Vender aos eleitores  a promessa de gestão empresarial na gestão do estado, algo que nem Magalhaes Pinto  e nem José Alencar fizeram durante as suas carreiras políticas, pode custar caro ao Estado. E mais, achar que empresários que apoiam candidatos só têm interesse patriótico é renegar a história e ignorar  os ideais do empresariado. Os quatro cavalheiros da esperança, sob liderança do Zema, terão uma chance única de mostrar que a tese está errada, que o espírito público do empresariado mineiro ultrapassa os limites dos interesses pessoais e empresariais. Ou seja, que os cavalheiros da esperança não passarão a ser cavalheiros do apocalipse.

O novo governo, seja qual for, mas principalmente se for do Zema, vai precisar de uma aliança de todos para poder sanear o Estado e começar a fase de desenvolvimento. A política é feita de gestos, e sem dúvida a especulação que foi feita com as ações da CEMIG e o anúncio da vinda de Gustavo Franco, que contribuiu, quando no governo FHC, com a quebra da indústria mineira e hoje representa junto com Amoedo a dominação do setor financeiro na política, não ajudam a enxergar um futuro soberano e mineiro na essência para Minas. 

Minas não se pode dar mais ao luxo de ser um grande exemplo de atraso social e econômico do país, criando 15 bilionários  brasileiros. A esperança  das urnas gera responsabilidade dos senhores das gerais para mais do que isso.


Monday, 8 October 2018

DA RESSACA DEMOCRÁTICA


DA RESSACA DEMOCRÁTICA

Quem ganhou, ganhou, quem perdeu, perdeu. As eleições são simples assim. Mas, nas deste ano, todas as análises no dia subsequente não têm a mínima importância. Não é por causa de segundos turnos, mas porque a complexidade criada no cenário político brasileiro após estas eleições só é superada pelo período pré-eleitoral. Esta transição que vivemos, de um modelo político distorcido para um novo modelo cujos contornos estão em formação, é um misto de incerteza, medo, receio e otimismo que  nos leva a mais incerteza.

Comecemos pela eleição de parlamentares  em todos os níveis, que representam tudo com exceção de alguma mudança no modelo político que nos trouxe para esta crise ao mesmo tempo política, econômica e sobretudo social. Nada mudou. E ninguém disfarça. As cabeças do desastre, de alianças espúrias, de cargos com porteiras fechadas para benefícios ditos partidários, mas na realidade pessoais, continuam no cenário parlamentar rindo na nossa cara, dizendo: o povo nos escolheu. Isso é democracia.

O povo brasileiro, do qual 30 milhões não tem emprego ou estão sub empregados, e com 11 milhões que ainda não sabem escrever e ler, sem falar nos que não têm agua, esgoto, moram em favelas e seus filhos não têm escola, é que elege. E esses políticos, na verdade, de boca cheia, falando de saúde, educação, e emprego, trabalharam nos últimos 16 anos para manter esse estado de coisas, para poder manipular e se re-eleger de novo. Nós não temos políticos falando de forma clara e honesta, forças políticas que têm nestes anos trabalhado para que diminua a ignorância do eleitor e aumente a sua inserção social. Quanto mais ignorante e dependente de ações sociais do estado permanece o eleitor, mais feliz fica o político no poder.

O paradoxo de nossas democracia também é a quantidade de candidatos. É espantoso seu cinismo, vendendo ao eleitor algodão doce que na hora de comer se transforma em jaca. E estarrecedora a falta de conhecimento dos reais problemas que os eleitores enfrentamos. Nesse mar de ignorância há exemplos de todos os tipos. E a maior delas todas é o deputado Tiririca, que ri na nossa cara dizendo que nos enganou porque, ao contrário do que havia anunciado, é candidato de novo e não vai renunciar a uma boca boa dessas de ser politico.

Quanto tempo o país aguenta esse modelo e se a divisão, com ódio crescente entre as classes sociais, que esta eleição provocou, vai  crescer, só os dias que vêm vão mostrar. Vamos precisar de muita paciência para que o segundo turno, que dizem ser uma nova eleição, talvez traga mais debates, mais projetos, mais discussões e um futuro menos sombrio. Não no final de contas dizem que Deus é brasileiro. Está na hora de acreditar nisso.

Sunday, 30 September 2018

DO PAÍS INGOVERNABLE


DO PAÍS INGOVERNABLE

Está passando no Netflix uma série sobre política mexicana chamada Ingovernable. Pura ficção, mas como toda ficção, tem fundo de verdade. O país tomado pelo narcotráfico, forças policiais corruptas, e por bandidos internacionais, está em guerra, sendo que mesmo realizando-se eleições nada muda, mas só piora para a população. Em resumo, as eleições por si só não são fator suficiente para as mudanças de que o país precisa. Esse mantra de aparência democrática, ou quase pseudo democracia, tem um elemento fundamental para que a democracia funcione: quem se elege. Quem é o vencedor das eleições e sua capacidade de governar.

Nas eleições de 7 de outubro tem um turno só  para deputados estaduais, federais e senadores.Com o acirramento da campanha presidencial, a escolha de parlamentares ficou, como raras vezes nas eleições anteriores, totalmente no segundo plano. Mas, o fato é que nenhum presidente ou governador pode, mesmo com a força que apresenta o nosso sistema presidencialista, fazer qualquer reforma ou avançar nas legislações sem o apoio do Congresso. Portanto, o desprezo por essa parte fundamental da eleição, juntamente com o  esfacelamento do sistema partidário, com um número inadministrável de partidos, é um dos grandes problemas do nosso sistema democrático.

A escolha do presidente da república apresenta um outro aspecto que confunde o eleitor e traz consequências graves para a gestão do país. Ideologia e ideias. Os candidatos estão se apresentando ao eleitor, ainda na suas maioria analfabeto e de baixa compreensão dos assuntos políticos, com ideias que assolam a sua cabeça, que são importantes sim, mas para as quais nenhum candidato diz com clareza que soluções pretende trazer.

Vamos ao emprego. Emprego quem cria são as empresas. E as empresas o criam com crescimento dos negócios e investimentos. E sobrevivem as empresas competitivas. Para serem competitivas precisam de ambiente macro econômico e político que as faz competitivas. Por exemplo, as relações de trabalho. Política fiscal. E previsibilidade legal.

Os dois candidatos mais competitivos para a presidência de república têm enviado mensagens tão confusas para o empresariado, que enfrenta um ambiente internacional de alta competitividade com mudanças tecnológicas, entre outras, que ninguém sabe o que esperar após 1º de  janeiro.

O nível de desesperança em que o país volte a crescer, entre os empresários que estão se agarrando como afogado num galho fraco numa correnteza, rezando para que o galho aguente e a água diminua , é de tal proporção que deixam de votar nos candidatos de centro porque os extremos estão cada vez mais próximos.

As perspectivas  pós eleitorais, mesmo com segundo turno, que serão definidas com a escolha do Congresso, são absolutamente desanimadoras. E pelo que estamos vendo, teremos mais quatro anos de velhas políticas, sem gente nova, até que surgem novas lideranças. Uma democracia brasileira, que renova as velhas ideias, práticas e hábitos e permite que seus políticos abusem de forma não impune, mas ungidos pelo sistema, pelo povo brasileiro. 

O país só pode ser feito de esperança e rico para aguentar tudo isso. Mas, e o povo, aguenta?