Friday, 10 June 2016

DAS DEMOCRACIAS SUL-AMERICANAS

DAS DEMOCRACIAS SUL-AMERICANAS

As eleições presidenciais na semana passada no Peru, país  vizinho e importante parceiro comercial, mostraram que a democracia tantas vezes  violada neste continente, continua a prosperar e se consolidar. O septuagenário candidato PPK, Pedro Paulo Kuscinsky, ganhou as eleições com uma diferença de 40 mil votos, em um total de 17 milhões de eleitores. Fração de décimos em milhões, mas assim mesmo deve ter ganho a eleição (a confirmação final pela Comissão eleitoral chegará nos próximos dias, porque a eleição não usa urna eletrônica e então a recontagem de votos é mais demorada). Antigamente, nestas terras sul-americanas, incluindo-se o Brasil, haveria gritaria de fraude e, de fato, havia muita fraude nas eleições. Aliás, hoje se usam métodos preventivos para não ajudar a oposição a chegar ao poder, não ter a alternância de poder, e o caso da Venezuela é bem emblemático nessa questão.


A eleição peruana tem outra característica: ganhou um peruano mundialmente conhecido por sua atuação nos bancos internacionais, com idade incomum para candidatura política (74 anos) e até com cidadania dupla, norte-americana, à qual teve que renunciar, e peruana. Ganhou da jovem (41 anos) herdeira de pai preso por corrupção e  outros crimes, o ex-presidente de Peru, Alberto Fujimori. Mas, mesmo ganhando a presidência da republica, PPK, como é conhecido no Peru, terá que se compor com a derrotada representante de fujimorismo, porque no Congresso peruano ela comanda a maioria, com 73 deputados, contra 18 do partido do vencedor das eleições presidências. É o fenômeno do presidencialismo versus parlamentarismo. Presidente sem  maioria parlamentar, aliás muito conhecido no Brasil. Então começam as alianças partidárias, aumenta o papel do estado na economia, em função da distribuição de cargos e benesses, e começa o fenômeno da ingovernabilidade, tão comum na região.

No Peru, durante a campanha, discutiu-se muito a influência  de empreiteiras brasileiras na política local. Algumas delas teriam levado o modelo da Lava Jato para o Peru, algo que, apesar de não ser comprovado, foi muito discutido durante eleições.

Com a eleição de PPK no Peru, o continente ganha um populista a menos e firmam-se mais as correntes de equilíbrio entre capital e mercado, mas às vezes mais a favor do mercado e capital, do que de demandas sociais, mas definitivamente fora do populismo tradicional que ainda domina em alguns países da América do Sul. Para o Brasil, o Peru equilibrado e desenvolvido pode significar uma parceira econômica, nas vizinhanças, bem mais conveniente do que percebemos à primeira vista. Inclusive como nossa potencial abertura para o Pacífico.

No comments:

Post a Comment