Thursday, 20 December 2012

GUERRA E PAZ



De guerras e paz

Nestes dias de final do ano gregoriano haverá muita reza e muitos apelos pela paz. Mesmo se não tivemos um confronto considerado mundial, não há como dizer que o mundo está vivendo em paz. Aliás, em nenhum momento da história a nossa civilização viveu sem nenhum conflito armado. E neste momento vivemos de uma forma horizontal, atingindo o mundo inteiro, uma guerra travada com terroristas islâmicos que esta longe de ser ganha pela civilização ocidental e cujas dimensões são difíceis de serem reconhecidas.

A chamada Primavera árabe, que significaria a adoção de valores democráticos ocidentais pelos países árabes e a conseqüente queda de ditadores como Kadafi  na Líbia ou Mubarak no Egito, abriu uma panela de pressão cujos desenvolvimentos são imprevisíveis. O conflito na Síria, que tem sido mais sangrento do que a televisão quer mostrar, não tem fim. Na Líbia, os conflitos internos e a luta entre várias facções está transformando o país em um campo de batalha sem controle. E ainda no continente africano há lutas na República Democrática de Congo, no Mali, piratas na Somália, violência na Nigéria e no Sul do Sudão.

A lista ainda inclui ainda os tradicionais conflitos no Afeganistão e no Iraque, e o conflito entre Israel e os palestinos. Mesmo com a retirada dos soldados americanos e seus aliados dos dois primeiros países, os conflitos continuam. Mudam os soldados, mas não mudam as batalhas. E nenhuma solução diplomática para a paz entre Israel, onde haverá eleições em janeiro, e os palestinos está a vista. O Irã continua com sua política de destruição de Israel, com a ousadia de construir a bomba atômica e, do outro lado da Ásia, a Coréia do Norte lança foguetes de longo alcance. E o comércio de armas está só crescendo, gastando-se cada vez mais em armamentos e cada vez menos em alimentos.

Na América Latina poderemos presenciar uma paz dos narco revolucionários colombianos da FARC com o governo. E daí, se Cristina Kirchner não declarar guerra ao Reino Unido pelas Malvinas, poderemos ser o continente sem conflito armado. Mas, isso não isola o Brasil das consequências de outros conflitos. Muito pelo contrário, todos esses conflitos, inclusive a rusga entre a China e o Japão pelas ilhas no Pacífico, afetam os valores da política  externa brasileira e a sua economia. O Brasil é um ator internacional importante, tanto no campo político como econômico, e esta sendo envolvido em soluções de todos os conflitos mundiais, como o terrorismo, ou regionais, como os da Africa ou Oriente Médio. Portanto rezar pela paz é uma forma de achar que se pode conseguir a paz no mundo. A outra é preparar o país em todos os seus campos para batalhar pela paz.  


Stefan B. Salej
19.12.2012.

No comments:

Post a Comment