Thursday, 16 August 2012

Dos alinhados nao alinhados


Dos alinhados não alinhados

Na bucólica ilha de Brioni no mar Adriático, hoje parque nacional croata, encontram-se decadentes  instalações de um zoológico e das antes  vistosas instalações para hospedar dignitários do mundo inteiro.No zoológico, havia tigres de Bengala, elefantes da Índia, crocodilos do Nilo e onças da África. Eram presentes dos dignitários da época, que junto com o Marechal Tito, da Iugoslávia  ( Nehru da India,Nkrumah da Gana, Nasser do Egito e Sukarno da Indonésia ) criaram em 1961 o Movimento dos Países Não-alinhados.

O movimento tinha por objetivo, em um mundo bipolar, Oeste com Estados Unidos e Este com a União Soviética, encontrar uma terceira via, que basicamente reunia países recém saídos do processo de  descolonização, e pobres, ou, oficialmente, em vias de desenvolvimento. Enquanto viveram os cinco líderes e alguns de seus sucessores, cresceu, reuniu 120 países-membros e 21 observadores, entre os quais o Brasil  (não esquecendo a admiração que o Presidente Jânio  Quadros tinha pelo movimento) e teve suas baixas e poucas altas.Em 1979, quando Cuba presidia o movimento, deu-se uma virada anti-imperialista e anti-colonialista que radicalizou posições e afastou o movimento dos objetivos iniciais, que eram organizar a união política para promover o desenvolvimento e comércio entre os países em desenvolvimento (Sul-Sul).

Durante a reunião na África do Sul, sob a presidência do legendário Nelson Mandela, o movimento começou discutir também a luta contra pobreza e o sub-desenvolvimento. Este, aliás, o maior problema da absoluta maioria dos países-membros. Mesmo representando mais da metade de população mundial, a renda media per capita dos seus habitantes está muito abaixo da constatada no chamado mundo desenvolvido.E entre esses países há inúmeros do Oriente Médio e África, estão os movimentos democráticos em curso ou as ditaduras mais notórias do planeta. 

A  próxima reunião será no Irã, agora em agosto,que assim  assume a presidência do movimento. Movimento que resiste ao tempo, como as instalações degradadas da ilha de Brioni. O mundo mudou, e mudou muito. Este é um tempo confuso, sem muito rumo, mas é sem duvida nenhuma um tempo diferente.O movimento dos não-alinhados virou, com Teheran Times propagando que seus líderes terão a oportunidade de mostrar ao  mundo que são bons amigos e líderes legítimos do movimento, simplesmente o movimento alinhado.Alinhado com a produção de artefatos de guerra nucleares, com ameaça aos vizinhos, com ódio religioso e racial, em especial contra os bahais e judeus, com envolvimento em atentados como o contra comunidade judaica na Argentina, e mais e mais. O Irã, ou Pérsia,  país com história, é hoje, com seu governo, um exemplo de tudo o que o  movimento dos não alinhados não  representava. Mas o preocupante é que tem apoio para fazer politicamente das suas, incluindo sua vontade de matar mais gente, e por isso haverá reunião lá. O movimento dos alinhados, agora contra o mundo, ganhou uma força que não pode ser desprezada.

Stefan B. Salej
15.8.2012.

2 comments:

  1. Interesting post.
    I for one thought the non-aligned movement had disappeared with the fall of the Wall. Perhaps I was wrong, because the horrors in Syria show that the Cold War is alive and hotting up in the middle east, with Russian and China battling against the West.
    The concept of Iran as a non-aligned state is perhaps not quite so laughable as it might seem, Iran doesn't really have any allies, although the Russians and Chinese support it, so do Japan and a number of countries in Asia that depend upon its oil.
    Many years ago, back in the days of the Cold War, John LeCarré had a character in his novel The Honorable Schoolboy define democracy as "no communists, no generals". Perhaps we should now add "no mullahs".
    cheers
    Michael rOYSTER

    ReplyDelete
  2. Caro Stefan,
    Alinhar-se com quem viola direitos humanos é bastante temerário! O termômetro que indica o grau de compromisso de um governo com os direitos humanos é a forma como tratam as suas minorias. E as violações de direitos contra os bahá'ís e judeus no Irã dão prova de que é melhor permanecer desalinhado do que mal acompanhado!
    Iradj Eghrari
    Brasília, DF , Brasil

    ReplyDelete