Thursday, 1 September 2016

DO IMPEACHMENT E GOLPE VISTO PELO MUNDO

DO IMPEACHMENT E GOLPE VISTO PELO MUNDO

A política brasileira é jabuticaba. Só tem aqui. A nossa Constituição de 1988 fala de tudo e regula tudo. E a quantidade de processos que temos na justiça levam à mesma quantidade sentenças e interpretações. E também não poderia ser diferente no impeachment  da Sra. Presidenta da República Dilma Vana Rousseff, mineira de Belo Horizonte. O que uns consideram um processo constitucionalmente correto, outros, inclusive liderados pela própria Presidente “saliente”, consideram golpe.

E assim como nós, divididos e confusos no nosso próprio país, também o mundo, que prestou  muita atenção nos acontecimentos no Brasil, nos vê. Em termos gerais, ninguém mais esperava a volta da Dilma ao Planalto, mas a confirmação final é ponto final. Ou não? Muitos comentários na imprensa mundial, que acompanhava com muita atenção o processo, destacam as razões de impeachment como injustas e outros destacam a firmeza dos legisladores brasileiros em destituir a Presidenta, por causa do desrespeito  à legislação  fiscal, como fato positivo. E todos mencionam a difícil herança econômica e social que o governo dela deixou para o país.

Mas as analises dos jornais não são sempre acompanhadas pelos governos estrangeiros. Brasília tem um dos maiores contingentes de representações diplomáticas no mundo, o que demonstra  a importância do país. As reações dos quatro latino-americanos: Bolívia, Venezuela, Equador, Cuba e mais um centro-americano, Nicarágua, já eram de esperar. A Bolívia depende de fornecimento de gás para o Brasil e com a mão na cintura, ainda no governo Lula, nacionalizou as instalações da PETROBRAS lá. O Equador tem importância pequena. E a Venezuela está numa situação que é incomoda para o Brasil já há muito tempo. E, como Cuba nos deve muito, mas muito dinheiro e, com essa briga, a renegociação será mais difícil. No caso venezuelano, por outro lado, o Brasil terá mãos mais livres para agir para se encontrar uma solução na confusão que armaram em Caracas.

Os países grandes estão todos esperando parcerias melhores com o Brasil. Nos próximos dois anos e quatro meses, espera-se que o governo Temer tenha liderança política para colocar a economia nos eixos. Ponto. Se mostrar que tem liderança para reformas e controle fiscal, terá apoio do exterior. Do mercado e dos governos. Mas a confusão nas votações do Senado, com a cassação do mandato da Dilma e subsequente permissão para que ela continue na vida pública, não deram exatamente um sinal dessa liderança. Agora isso deve ter sido explicado também na reunião da G 20 na China, para onde o Presidente Temer seguiu após a posse. Mas, os problemas, que não são poucos, continuam aqui.

No comments:

Post a Comment