Friday, 12 February 2016

DA NOSSA SIRIA

DA NOSSA SÍRIA


É absolutamente impressionante que uma tragédia como a que está  acontecendo na Síria passe à  margem dos nossos sentimentos, preocupações  e do nosso futuro. A Síria, que faz parte importante de evolução da humanidade, que por circunstâncias do passado deu a oportunidade a inúmeros sírios de se instalarem no Brasil e ajudarem na construção do país, é hoje, após cinco anos de guerra, um país destruído.
Os números da destruição são absolutamente estarrecedores: 400.000 mortos, 2 milhões de feridos, 4.5 milhões de refugiados, 80 % das crianças têm alguém morto na família e 60 % delas assistiram à violência da guerra. Em uma semana, a cidade de Alepo sofreu 510 ataques aéreos. Russos. Cidades destruídas, pessoas destruídas, pais destruído.

Rússia e Estados Unidos, junto com 17 países e grupos rebeldes que lutam contra o Presidente Assad, chegaram a um consenso esta semana, que, segundo um diplomata anônimo, valem só papel e tinta, para um cessar fogo e, em especial, acesso de ajuda humanitária. O acordo não vale para os grupos terroristas da Al Caída e do Estado islâmico. Mas, para entender melhor a guerra, porque isso já não é mais um conflito armado, devemos olhar quem é quem contra quem.

Os Estados Unidos, Reino Unido e França apoiam grupos rebeldes contra o atual regime. A Rússia, que tem uma base militar no país, junto com a Turquia, Arábia Saudita, Irã e Qatar (aquele da Copa daqui a 7 anos), apoiam o atual regime. E mais, o Nusra e o Estado Islâmico não apoiam ninguém, mas querem  conquistar seu espaço territorial e político. Em resumo, no fundo, os aliados dos Estados Unidos como a Turquia, Qatar e Arábia Saudita, lutam junto com Rússia contra os Estados Unidos que querem derrubar o atual regime. Estamos assistindo a uma guerra  entre grandes potências, em que parece que já esqueceram por que estão lutando.

O acordo desta semana é importante porque pode eventualmente levar a uma solução diplomática para colocar um fim a tragédia do século 21.Ou não. No fundo, a guerra síria transbordou com os refugiados invadindo a Europa, as fronteiras de tolerância que os países podem ter com os  conflitos. Mas ai a Europa, que esta investindo bilhões para aliviar a crise de refugiados, não está conseguindo  colocar fim ao conflito entre grande potências e interesses regionais.

O Brasil participou  da conferência anterior sobre ajuda à Síria, recebeu refugiados, mas toda América Latina está fora do conflito. Ainda não se pode dizer com certeza que não nos afeta. Ou quanto nos afeta.

STEFAN SALEJ
12.2.2015.





No comments:

Post a Comment