Saturday, 15 August 2015

DA EDUCACAO INTERNACIONAL 1

DA EDUCAÇÃO INTERNACIONAL

As empresas querem exportar, precisam exportar, precisam se instalar fora do país para melhorar a sua receita e a sua posição competitiva. E na composição de vários fatores que entram para se alcançar o sucesso, bem na base de tudo, está a educação. Começa com a educação  básica, escola primária, vamos dizer assim. Não  só pelas condições básicas para os alunos estudarem e os professores terem a oportunidade de aperfeiçoamento, salários dignos e condições de ensino mínimas, mas também pelo currículo escolar. Vamos ao simples  exemplo da cachaça, que hoje um dos produtos mais importantes de exportação mineira. E ela não é  produzida nos grandes centros, mas nas regiões  onde tem muita mão de obra abundante e pouco qualificada.  E ai, é só um esforço conjunto de todos os atores envolvidos pode produzir bons resultados.

E apesar de muito discurso sobre  a educação e muito investimento feito, estamos longe de nossos concorrentes. Nas medições internacionais chamadas de PISA, o Brasil ocupa o 60o lugar  entre os 76 países pesquisados. E este resultado também corresponde  às nossas colocações na escala mundial quando comparamos inovação, competitividade e produtividade das empresas brasileiras. E tem mais: se melhorarmos a educação, teremos um bom crescimento do nosso produto interno bruto.

Além da educação  primaria, que está nos níveis primários mesmo, temos a educação profissionalizante. Na semana que passou foi realizado o  campeonato  mundial, Worldskills, em São Paulo onde jovens  de 50 países  competiram em inúmeras profissões. O Brasil, e  também Minas, que teve uma participação significativa, não se saíram mal. Melhor do que nas avaliações do ensino básico. Temos campões sim, mas continuamos, apesar de uma esforço louvável do Sistema S (Senai, Sesi, Senac, Sesc, Senar, Sebrae, Senat), ainda longe de poder dizer que o nosso ensino profissionalizante atinge a maior parte da nossa população jovem e se apresenta como a alternativa profissional para melhor a empregabilidade.  O Governo Federal, que começou bem com o programa PRONATEC, está  reduzindo recursos nessa área, enquanto o sistema S está  começando a ter menos recursos porque as empresas estão mal.

E o resultado disso não é só a redução do número de alunos,  nem a disponibilidade para aumentar a competitividade das empresas, mas mais jovens na rua. E haja a ilusão de que a desvalorização do real vai trazer competitividade às exportações brasileiras. Ilusão que custa caro.

No comments:

Post a Comment