Friday, 27 February 2015

DO ATOLEIRO LATINO AMERICANO

Do atoleiro latino americano

Para os brasileiros, e em especial o governo e os políticos, neste momento só tem uma visão do mundo: o atoleiro brasileiro descrito na capa pela mais digna representante dos interesses econômicos britânicos e similares, The Economist. A descrição é perfeita e nem o falecido Binômio poderia, junto com o também falecido Pasquim, descrever melhor e pior ao mesmo tempo o que acontece no Brasil de hoje.

O único problema nessa visão, e há trinta anos em Belo Horizonte tinha só três assinantes dessa revista que hoje provavelmente já tem uns 100 assinantes nas alterosas, é que a América Latina não é só o Brasil, e nem a América Latina é a única região do mundo. Na verdade, os acontecimentos que mais afetam o mundo hoje não se passam nessa região. Os massacres provocados pelo Estado (ainda não se descobriu porque uma entidade terrorista que ocupou um território se chama de estado) Islâmico, são de arrepiar. E  é de arrepiar  o fato de  que os países ocidentais, cujos cidadãos lideram essa orgia sanguinária, simplesmente não dão conta. É uma guerra de maiores proporções, que atinge uma boa parcela de Oriente Médio, uma tragédia humana com milhões de refugiados e milhares de mortos, em que não se vê um final feliz, mas um final trágico.

E sem falar de novo na Ucrânia, na crise grega, que faz tremer o mundo financeiro, no Afeganistão de onde as forças aliadas nunca saem, e mais alguns conflitos menores. Mas, é o terrorismo que está assustando e permeando pelo mundo afora, como a gripe espanhola que até o início do século passado ainda matava em larga escala. E esse terrorismo não deixou a América Latina fora do mapa. É o caso dos atentados há mais de 20 anos na Argentina, comprovadamente dirigidos pelos iranianos. Após o assassinato do procurador que investigava o caso e acusava o governo da Cristina Kirchner de encobrir os criminosos, a servil justiça portenha isentou a presidenta de todas as acusações.

No vizinho Uruguai, que vai empossar o novo presidente neste domingo, estão vivendo em exílio humanitário alguns dos terroristas que Estados Unidos prenderam por muito tempo na prisão de Guantanamo. Estão se recuperando e um deles já declarou que quer sair de Uruguay e voltar ao seu país de origem. E continuando a rodada no continente, ainda não selaram a paz definitiva os guerrilheiros da FARC e o governo da Colômbia. Pelo jeito que essa negociação vai, parece que  nenhuma das partes tem interesse em concluir um acordo.

A maior preocupação no continente é a situação venezuelana. O governo Maduro perdeu controle de situação, transformou um movimento social chamado bolivarismo, em  um estado desorganizado, ditatorial e desesperado. E com todos em torno dele, sem saber o que fazer, esperando o pior. Esse sim é um país bem atolado!

Stefan Salej
28.2.2015.  

2 comments:

  1. Concordo que tem muito país mais atolado que o Brasil.....
    Mas, como diz um companheiro de trabalho nosso, parafraseando o verdadeiro autor.... "O Brasil não é para amadores..."
    Logo fazer comparações de fora nos deixa "no atoleiro".....

    ReplyDelete
  2. Realmente serão tempos muito difíceis para o Brasil, perdemos a grande de chance de mudar o cenário democraticamente, mas não evoluímos o suficiente.

    ReplyDelete