Thursday, 25 December 2014

DO MUNDO QUE NOS ESPERA EM 2015

A percepção do que aconteceu de mais importante no ano 2014 varia de país para país, de pessoa para pessoa. Podemos concordar porém que alguns eventos atingiram o mundo inteiro. Mas, antes disso não há dúvida alguma, em termos internacionais, a realização da Copa no Brasil e a nossa vexaminosa derrota para Alemanha é para cada um dos brasileiros um fato inesquecível e marcante. Por outro lado, o aumento de desastres naturais, mudança de clima e de temperaturas afetaram o mundo como um todo. E o Ebola, que provocou a morte de mais de dez mil pessoas e está longe de ser dominado. Os terroristas islâmicos, a guerra interminável na Síria, com milhões de refugiados e os ataques de grupos palestinos a Israel também marcaram a presença no cenário mundial. A guerra no Afeganistão que não acaba, e o conflito na Ucrânia que começou, teve lances trágicos de derrubada de avião civil e continua. A isso tudo e muito mais pode-se adicionar o descongelamento de relações entre Estados Unidos e Cuba, a perversa situação política na Venezuela, onde a situação econômica está se deteriorando e as dificuldades sempre presentes na vizinha Argentina. E mais, a queda vertiginosa do preço das matérias primas, onde só o café se salvou. A China diminuindo o seu ritmo, a Europa engatinhando e Estados Unidos dominando novamente o desenvolvimento mundial. O que passou, alguns dizem que é um ano para esquecer, passou e nos deixou algumas lições para 2015. O novo ano traz mais incertezas do que tranqüilidade. Está porém claro que as políticas de baixar os preços de petróleo e aproveitar o conflito entre Rússia e Ucrânia para castigar o urso russo estão desenhando um mundo novo, diferente daquele que vimos 25 anos após a queda do muro. As potências mundiais estão redesenhando o mapa, mas com a presença da China, que se tornou número dois no cenário econômico. Os conflitos regionais, como do Oriente Médio, e o crescimento do poderio nuclear do Irã ainda dominado pelos clérigos muçulmanos radicais, provavelmente vão continuar. O da Ucrânia, também e nada mostra o fim do conflito da Síria ou a derrota dos radicais islâmicos. O terrorismo islâmico radical continuará sendo um dos nossos inimigos globais mais perigosos e que vai afetar a vida de cada um de nós. Mudanças climáticas, mesmo com alguns acordos pífios conseguidos nós últimos tempos, são desprezados em função de interesses individuais de grandes jogadores no tabuleiro mundial.O mesmo vale para os acordos comerciais patrocinados pela Organização Mundial do Comércio.Prevalecem os interesse de grandes países em total detrimento da maioria do mundo. Na base simples: manda que pode e obedece quem tem juízo. Onde fica o Brasil, com o cambaleante Mercosul e outras alianças na América Latina, cabe a cada um de nós avaliar e ao governo determinar o rumo do país no mundo. Stefan Salej 25.12.2014.

2 comments:

  1. Gostaria de estar redondamente enganado, quando penso que apenas os empresários estão empenhados em alianças e fazer crescer nosso comercio exterior.
    O grupo que comanda o país tem outras prioridades.......

    ReplyDelete
    Replies
    1. Esta enganado, porque Brasil esta inserido internacionalmente. Mesmo que temporariamente pode parecer menos, mas os parceiros estrangeiros não abandonam o Brasil.Podem por razoes táticas mudar um pouco, mas Brasil faz parte de potências mundiais.

      Delete