Thursday, 21 February 2013

SIAMO TUTTI ITALIANI



Das eleições italianas

As eleições parlamentares italianas desta semana podem mudar pouco a Itália mas afetar muito a Europa. As duas décadas de declínio da antiga potência econômica e membro do exclusivo grupo dos poderosos países do G7, a queda de 2.2% do produto bruto interno no ano passado e a ameaça, após 18 meses de certa estabilidade sob o governo do Prof. Monti, de volta do rei do bunga bunga e antigo primeiro-ministro Berlusconi, fazem a Europa tremer. A complexa situação econômica italiana, onde basicamente se enfrentam o centro-esquerda de Monti versus a direita liderada pelo Cavaliere Berlusconi, não será ainda resolvida nesta eleição. O mapa político, que só será definido após a abertura das urnas no domingo tem também novos atores, como Beppa Grillo, comediante que está tirando votos do Monti e com isso pode ser o fiel da balança no Parlamento.

É consenso que a Itália precisa de reformas sociais e econômicas. A estrutura econômica italiana, com milhões de pequenos negócios e um Norte desenvolvido, beneficia Berlusconi, que quer destruir as vantagens sociais do operariado, reduzir os impostos e dar mais asas ao grande capital. Mas, isso levou o país a um impasse e a uma situação política e econômica insustentável. O rigor nas reformas de Monti gera uma impopularidade difícil de ser aplaudida nas urnas. Por isso, ainda que racionalmente inaceitável, o  populismo de Berlusconi  tem seu espaço político.

A Europa, que está saindo da crise para a qual Itália contribuiu muito mais do que Grécia, não pode se dar ao luxo do retrocesso. Os alemães têm dado sinal claro, porém discreto, de que a volta ao passado não é aceitável. Mas pouco podem fazer para que os eleitores italianos façam diferente do que eles pensam  que é certo.

O Brasil é intimamente ligado à Itália. Vivem aqui 25 milhões de descendentes de italianos, dos quais 270 mil têm cidadania italiana e outros 600 mil estão esperando na fila. Os ítalo-brasileiros votaram, menos de 20 %, elegendo na América do Sul toda 4 deputados e 2 senadores. Minas possui o terceiro maior contigente de imigração italiana no Brasil e um ítalo-brasileiro é governador do Estado.

Mas são os investimentos italianos no Brasil que também importam. Novamente aqui, Minas  tem um peso muito grande, principalmente por causa da Fiat. A questão que se coloca é se as empresas italianas no Brasil são melhores investidores com um estado italiano em crise, cheio de escândalos como a recente da quebra do tradicional Banco de Monte del Paschi e a prisão do presidente da Finnemecanica, a líder de equipamentos militares.

Claro que não. O sucesso da Itália também pode ser nosso. E o fracasso, também.

Stefan  B. Salej
21.2.2013.

No comments:

Post a Comment